19/03/2013

EXAME PERIODONTAL - OPC3


EXAME PERIODONTAL
  
O exame periodontal é a forma fácil de determinar como está sua saúde bucal. O exame tem como objetivo discutir a etiopatogenia das doenças que ocorrem no periodonto, tendo uma micro sonda milimetrada inserida entre seus dentes e a gengiva para verificar sua saúde periodontal.

Aspectos normais

Um periodonto saudável é composto por:
  • gengiva
  • ligamento periodontal
  • osso alveolar


A cor da gengiva é rosa claro, uniforme. Na presença de placa bacteriana supra gengival, poderá ocorrer a inflamação dos tecidos gengivais; a gengivite. É caracterizada por vermelhidão, sangramento gengival, edema e sensibilidade. Clinicamente, o sangramento é o primeiro sinal clínico de inflamação.
Quando há a inflamação dos tecidos de suporte dos dentes, estamos diante de uma periodontite, associada à placa subgengival, sendo representada pela perda de tecido conjuntivo de inserção e osso alveolar. O exame clínico deve incluir medidas que descrevam essas alterações patológicas.
 


A textura deve apresentar-se em aspecto de casca de laranja, mas nem sempre aparece dessa maneira.






CARACTERÍSTICAS GENGIVAIS

Há presença de queratina na margem gengival. Tratando-se da sua qualidade, esta, encontra-se em relação à espessura da margem gengival, quanto mais colágeno, maior a qualidade a gengiva.

Aspectos visuais

Verificar a existência de uma boa higiene oral, bem como os seguintes sinais:

- COLORAÇÃO
- CONTORNO E TEXTURA SUPERFICIAL
- SENSIBILIDADE DOLOROSA
- POSIÇÃO GENGIVAL
- HIPERPLASIA
- RECESSÃO

 
MESA CLÍNICA

  • Sonda de Willians


  • Sonda exploradora numero 5


  • Sonda Nabers

  • Espelho clínico

  • Pinça clínica


Exame Clínico Periodontal

Deve possibilitar a avaliação da presença do fator etiológico, determinar sinais clínicos de inflamação e grau de envolvimento das estruturas de suporte. Será avaliado o processo saúde/doença em relação à margem gengival, composto dos exames de Índice de placa (IP), Índice gengival (IG), Índice de retenção (IR); as condições das estruturas de suporte e situação inflamatória através de profundidade e sangramento à sondagem, perda de inserção.

AVALIAÇÃO PERIODONTAL

  •  ÍNDICE DE PLACA VISÍVEL (IP)
Objetiva distinguir claramente entre a severidade e a situação da massa de placa. O escore 0 corresponde a uma placa bacteriana não visível e o 1 a uma placa visível.
  •  PROFUNDIDADE DE SONDAGEM (PS)


É a distância em "mm" da Margem Gengival (MG) até o Fundo de Sulco/Bolsa (FS/B)
- Para determinar normalidade, considera até 3mm de profundidade a 20g.
- Durante o exame de P.S, não é comum correr sangramento e nem supuração.
- Os instrumentais devem sempre está calibrados, ou seja, medidos e avaliados antes do procedimento.
 
  •  NÍVEL DE INSERÇÃO (NI)

Distância em "mm" da Junção Cemento-Esmalte (JCE) até o Fundo de Sulco/Bolsa (FS/B);

- Não é esperado exposição da JCE;

- Mais indicado para monitorar o paciente;

- A distância entre o FS/B e a JCE deve ser preferencialmente ZERO, ou seja, a distância de entre os pontos de FS/B e JCE é mesmo que Zero.
 
  • SANGRAMENTO À SONDAGEM (SS)


Pode ser observado quando colocamos uma sonda milimetrada no fundo de uma bolsa periodontal, refletindo, segundo estudos histológicos, uma lesão inflamatória no tecido conjuntivo. 




  •   COMPROMETIMENTO DA FURCA
Identifica a presença de destruição dos tecidos de suporte na região de furca de dentes multiradiculares. É mensurado com auxílio da sonda de Nabers, precisamente uma S. Nabers Graduada.
Não se usa Sonda Milimetrada para esse tipo de procedimento.
Grau I, II e III define o nível de gravidade da lesão.
Há variações nos acessos nas várias conformações de furcas existentes.


- Furcas Vestibulares de Molares Superiores e Inferiores são acessadas pela Vestibular;
- Furcas Linguais de Inferiores são acessadas pela Lingual;
- Furcas Proximais de Molares Superiores são acessadas pelo palato;
- Furcas Proximais de Pré-molares são acessadas por vestibular e lingual.


  •   MOBILIDADE DENTÁRIA

A destruição progressiva dos tecidos de suporte periodontais pode resultar no aumento da mobilidade dos dentes.
A verificação da mobilidade pode ser realizada por dois sistemas; É necessário o uso de instrumentos rígidos para confirmar a mobilidade; Ter mobilidade não significa necessariamente dente com prognóstico ruim.
Sua extensão de movimento é vestíbulo-lingual, em grau I, II e III


  • RECESSÃO E HIPERPLASIA
recessão: coloca-se o sinal de positivo
hiperplasia: coloca-se o sinal de negativo
 

Referência:

Resumo aluno Filemon Filho 
http://www.periodonto.net/materialdidatico/aulas/Exame%20Clinico%20e%20Radiografico.pdf 
http://www.defiori.com.br/prevencao/saiba01.htm 




Nenhum comentário:

Postar um comentário